Noticias
Os motivos que fazem a Nova Zelândia ter o maior índice de suicídio
  • Os motivos que fazem a Nova Zelândia ter o maior índice de suicídio

Quando você pensa na Nova Zelândia, o que vem à mente provavelmente são as belezas naturais - fiordes, montanhas, paisagens remotas e paradisíacas - em um país distante.

Mas, há alguns anos, o país vem lutando contra outra forma de isolamento - depressão e suicídio.

Relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) ​​revela um dado alarmante. A Nova Zelândia tem, disparado, a maior taxa de suicídio de jovens entre países desenvolvidos.

São 15,6 suicídios por 100 mil pessoas - duas vezes maior que a taxa dos Estados Unidos e quase cinco vezes a da Grã-Bretanha.

O índice é preocupante, mas não surpreende. Não é a primeira vez que o país lidera o ranking, que contabiliza a taxa de suicídios de jovens entre 15 e 19 anos em 41 nações, da União Europeia (UE) e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Por que a Nova Zelândia?

Há diversos motivos. E, segundo o Unicef, os dados não devem ser analisados isoladamente.

A elevada taxa de suicídios está ligada a outras estatísticas, como pobreza na infância, altas taxas de gravidez na adolescência ou famílias em que nenhum dos pais trabalha.

A Nova Zelândia também tem "um dos piores índices de bullying escolar do mundo", diz Shaun Robinson, da Fundação de Saúde Mental da Nova Zelândia.

Segundo ele, há uma "combinação tóxica" de taxas muito altas de violência familiar, abuso infantil e pobreza que precisam ser abordadas para se enfrentar o problema.

Estatísticas da própria Nova Zelândia revelam que as taxas de suicídio são mais elevadas entre os jovens homens maori - povo indígena da NZ - e das ilhas do Pacífico.

"Isso mostra que também há questões em torno da identidade cultural e do impacto da colonização", explica Prudence Stone, do Unicef da Nova Zelândia.

O levantamento mais recente, de 2014, mostra que a taxa de suicídio entre homens maori é cerca de 1,4 vezes a de não-maori em todas as faixas etárias.


"É alarmante. Talvez seja um indicador do nível de racismo institucional e cultural em nossa sociedade", avalia.

"Não há uma pesquisa que nos diga isso de forma conclusiva, mas é certamente o que sugerem", acrescenta.

Há ainda outras possíveis causas para o problema.

Os serviços de saúde e assistência social em todos os países ocidentais vêm lutando há anos contra o estigma que associa a depressão à fraqueza.

E isso pode ter um peso maior na Nova Zelândia do que em outros países.

"Existe uma tradição cultural de que homens devem ser durões na Nova Zelândia", afirma Stone.

"Isso pressiona os meninos a se tornarem aquele tipo de homem durão que bebe cerveja", completa.


Segundo ela, houve uma ligeira mudança nos últimos anos. Músicos e cineastas emergiram como modelos para um tipo diferente de homem na Nova Zelândia - não são os "típicos torcedores durões do All Black (seleção neozelandesa de rugby)", mas mostram que pode haver uma abordagem mais leve para a masculinidade.

"Eu acho realmente que há uma rigidez maior de princípios morais na psique da Nova Zelândia em torno do 'eu tenho que resolver isso sozinho', o que pode não acontecer tanto em outros países", concorda Briana Hill, porta-voz da Youthline, linha telefônica que oferece apoio a jovens.

Não é que não haja um sistema de suporte para abordar o problema. A questão é que está sobrecarregado.

De acordo com Robinson, a demanda por esses serviços aumentou 70% na última década, enquanto o número de casos com indícios de suicídio subiu 30% nos últimos quatro anos, segundo a polícia.

Esse é um problema que Briana Hill, da Youthline, conhece de perto. São tantas chamadas que ela simplesmente não dá conta de atender, por falta de braços.

O consenso entre os especialistas é de que há necessidade de mais fundos para ajudar a financiar esse tipo de serviço.

Mas igualmente importante é chamar a atenção para o problema, conscientizar as pessoas e priorizá-lo.

"O país não está fazendo um bom trabalho em ajudar os jovens a serem capazes de lidar com a pressão, o estresse e os desafios emocionais e mentais que enfrentam", diz Shaun Robinson.

A continuidade do problema ao longo dos anos já colocou, no entanto, a questão no topo da agenda política.

O tema se tornou, por exemplo, pauta de debates antes das eleições gerais do país, que acontecem em setembro deste ano.

Em abril, o governo divulgou o esboço de uma estratégia nacional para prevenção do suicídio, que atualmente está em consulta pública.

Há um grande debate em torno do projeto. E, mesmo aqueles que acreditam que não seja suficiente, concordam que é um passo importante para reduzir as taxas de suicídio no país.


G1/Liberdade FM - Foto - Divulgação

16/06/2017/ 10:19:34
Outras Notícias
  • Bancos não oferecem consignado com garantia do FGTS; linha foi liberada em abril
Bancos não oferecem consignado com garantia do FGTS; linha foi liberada em abril
14/08/2017/ 10:43:53

Anunciado em abril pelo governo como nova opção de crédito e uma alternativa para o trabalhador trocar uma dívida cara por outra mais barata, o crédito consignado com o saldo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) como garantia ainda é promessa e não está sendo oferecido pelos bancos.O c...

  • Contratação de Paulinho é a quarta mais cara da história do Barcelona
Contratação de Paulinho é a quarta mais cara da história do Barcelona
14/08/2017/ 10:41:32

Aida de Paulinho para o Barcelona, confirmada nesta segunda-feira, se tonará a quarta maior transferência da história do clube catalão em valores absolutos. O valor de € 40 milhões pago ao Guangzhou Evergrande só é superado por Neymar, contratado ao Santos em 2013 por € 88,2 milhões, Luis Suárez, que deixou o L...

  • Corrida ao Senado: partidos já se mobilizam para as vagas de Aécio e Zezé Perrela
Corrida ao Senado: partidos já se mobilizam para as vagas de Aécio e Zezé Perrela
14/08/2017/ 10:38:28

A pouco mais de um ano das eleições, a corrida às duas vagas que serão disputadas no Senado em 2018 ganha cada vez mais força, e os partidos começam a se mobilizar para o pleito, que promete ter uma concorrência acirrada.Com a tendência de que Aécio Neves (PSDB) e Zezé Perrela (PMDB), que atualmente ocupam duas das ...

  • Moradores denunciam falta de água e Daepa diz que situação já está sendo normalizada
Moradores denunciam falta de água e Daepa diz que situação já está sendo normalizada
14/08/2017/ 10:36:36

PATROCÍNIO (MG) - Vários usuários ligaram para a redação do Patrocínio Online reclamando de falta de água nos em alguns pontos da cidade. As ligações, mensagens de WhatsApp e e-mail vieram principalmente dos Bairros Dona Diva e Morada Nova I e II.Segundo uma moradora a água chegou as 11 horas desse sábado ...

  • Forças Armadas sofrem corte de 44% dos recursos
Forças Armadas sofrem corte de 44% dos recursos
14/08/2017/ 10:29:23

Em meio à discussão da mudança da meta fiscal e de corte de gastos, as Forças Armadas pressionam pela recomposição no Orçamento, que nos últimos cinco anos sofreu redução de 44,5%. De 2012 para cá, os chamados recursos "discricionários" caíram de R$ 17,5 bilhões para R$ 9,7 bilhões. Os valores não incluem gastos obr...

  • 'Menino do Acre' reaparece e nega que sumiço seja jogada de marketing
'Menino do Acre' reaparece e nega que sumiço seja jogada de marketing
14/08/2017/ 10:26:51

Na última sexta-feira (11), chegou ao fim o mistério do “menino do Acre”: Bruno Borges voltou para casa dos pais, em Rio Branco, depois de quatro meses e meio desaparecido. Antes de sumir, o estudante de psicologia espalhou inscrições enigmáticas pelo próprio quarto. Ele diz que o objetivo dele com isso tudo er...