Noticias
'Escolher Temer como vice foi a maior pedalada de Dilma'
  • 'Escolher Temer como vice foi a maior pedalada de Dilma'

Senador, estamos com um presidente da República denunciado por corrupção e que tem manobrado para manter-se no poder. Como o senhor avalia esse cenário pós-impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT)?Olhando esse cenário, o ideal era retirar esse governo. O impeachment de Dilma Rousseff foi incompleto porque ficou o vice. Vice mal-escolhido por ela. Agora, eu não vejo que o Congresso tenha força, hoje, para derrubar o presidente Michel Temer (PMDB). A pior pedalada cometida por Dilma foi escolher Michel Temer como vice. Esse foi o seu maior erro. 

Mas o senhor votou favoravelmente ao impeachment e sabia naquele momento que quem assumiria o governo seria Michel Temer. Não fui eu que coloquei o Michel Temer no poder, mas sim os que votaram na chapa da ex-presidente Dilma. No momento do impeachment, cumprimos a Constituição, precisávamos mostrar para o futuro que não se pode aceitar presidente que comete pedalada fiscal. Dilma cometeu um crime. Lamento que o vice dela fosse o Temer, mas não fomos nós que o escolhemos. E nós já tivemos uma experiência com impeachment, o do Fernando Collor. Hoje, ninguém se arrepende. Por incrível que pareça, o Collor escolheu muito melhor seu vice (Itamar Franco) do que Dilma.

Ao longo de sua carreira política, o senhor sempre foi identificado ideologicamente com a esquerda. Hoje, o senhor continua a ser um político de esquerda? Eu continuo e me considero de esquerda. A esquerda não pode compactuar com corrupção. Esse pessoal que compactua com corrupção não pode ser considerado de esquerda. A esquerda não pode ignorar as mudanças que houve no mundo. Esse pessoal que defende o antigo e se diz de esquerda eu chamo de “ex-querda”. A esquerda tem sempre que defender ideias novas, o progresso, e nunca defender que tudo fique como está. Essa “ex-querda” ficou reacionária. São essas pessoas que foram contra as privatizações das empresas de telefonia. Se eles tivessem conseguido derrubar a privatização, hoje não tinha celular no Brasil. Um ponto que a esquerda precisa compreender é que não é possível defender o Estado, mas o público. E o que eu vejo é que essa “ex-querda” é capaz de ficar contra o público para defender o Estado. Toda vez que as pessoas ficam contra o progresso na mudança das leis, elas deixam de ser esquerda. Não perceber que houve globalização e não perceber que se não houver uma atualização nossas exportações caem é um erro dos que se dizem de esquerda.

O senhor fala da reforma trabalhista, projeto que votou a favor? Sim. Como ficamos com uma legislação trabalhista que tem 74 anos? Se você pegar o discurso de quem era contra as privatizações dos serviços de telefonia há mais de 20 anos, durante o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), você vai ver que o discurso é muito parecido com o de quem votou contra a reforma trabalhista. E hoje ninguém questiona que a privatização estava correta. O mundo mudou, e o trabalho mudou. Antes tínhamos trabalhadores que sequer tinham o ensino médio completo. Hoje, o número de trabalhadores com curso superior é muito maior do que era. Houve uma mudança do perfil do trabalhador, e essa legislação tem que ser atualizada. Por exemplo, temos pessoas que trabalham, estudam e precisam sair mais cedo do trabalho. A reforma permite que ela faça um intervalo menor na hora do almoço para que possa sair meia hora antes. Tem que respeitar a capacidade do trabalhador de decidir o que é melhora para ele. Durante a abolição, um dos argumentos dos escravagistas era de que o negro, uma vez liberto, não iria conseguir se alimentar e se manter. Que não iriam sobreviver à liberdade. Agora, eles dizem que os trabalhadores não têm condições de negociar o que é melhor para eles, organizar-se para conseguir suas reivindicações. Eu acredito que os trabalhadores têm condições para decidirem e buscarem o que querem. 

A desigualdade é o principal tema do livro “Mediterrâneos Invisíveis” que o senhor está lançando. Como combater esse problema no Brasil? Só há uma solução, e vou falar sem demagogia: colocar todas as crianças do Brasil em escolas de qualidade. Não há como tirar todos do lado da pobreza para o lado da riqueza com transferência de renda. Até porque a renda per capita brasileira manteria todos na pobreza. É preciso haver a federalização da educação básica. Se há desigualdade entre as pessoas, há desigualdade ainda maior quando comparamos municípios com realidades completamente diferentes.

Mas como convencer os governos a investirem em educação, ainda mais em um momento em que há uma busca pelo equilíbrio fiscal com a aprovação da PEC do Teto dos Gastos? Nós vamos trocar todos os deputados nas eleições do ano que vem. Vamos trocar dois terços do Senado, todos os governadores e o presidente. A mágica se chama voto. É preciso votar em quem vai defender o investimento em educação. Eu nunca apoiaria um ditador que investisse em educação. Garantir recursos para educação depende do convencimento dos governos, e a melhor forma de convencer o governo disso é pelo voto em quem vai defender os investimentos para a área.

Mas e a PEC do Teto? Sobre o teto, elo não impede que se destine mais dinheiro para a educação. Isso é óbvio. O que ele diz é que, para investir em educação, é preciso retirar de outras fontes. Com a PEC do Teto, o político não vai poder prometer que vai construir estádios e escolas porque ele terá que ter prioridade para não gastar mais do que tem. Isso é aritmética. Eu mesmo apresentei agora uma emenda à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) que permitiria aumentar em 15% o Orçamento da educação já no ano que vem. Mas os parlamentares que dizem que defendem a educação não se mobilizaram, a população não se mobilizou, e a emenda foi derrotada. Eles não gostam de lutar.

E de onde sairiam os recursos para garantir esse aumento de investimentos na educação? Para investir de um lado, é preciso tirar de outro. Hoje (na última sexta), eu me encontrei com o ministro da Educação, Mendonça Filho, e apresentei para ele as dez emendas que apresentei à LDO, e vamos estudar quais poderão ter o apoio do governo na hora da votação da Lei Orçamentária, neste segundo semestre. Entre as medidas propostas está a que determina o repasse mínimo ao Fundo Partidário, o que geraria uma economia de R$ 600 milhões que seriam revertidos para a educação. Outra medida é retirar 1% do Orçamento dos demais ministérios e reverter para a educação. Também apresentei a proposta de obrigar que 25% das emendas parlamentares e 50% das emendas de bancadas sejam destinadas a investimentos em escolas. Há ainda a emenda que prevê a reversão dos recursos de novas edificações públicas dos poderes Legislativo, Judiciário e Ministério Público para a educação.

O senhor tem o desejo de concorrer novamente à Presidência? Eu tenho uma disposição de concorrer. Mas, hoje, não vejo a possibilidade de ganhar. Há um apego ao passado, e ao que tudo indica teremos um segundo turno entre Lula (PT) e Bolsonaro (PSC). Um populista e um autoritário. Seja quem ganhar, eu não vejo um bom futuro.

Como viu a condenação do Lula? Eu não me meto a dar opinião sobre julgamento. Se é culpado, se a pena foi boa. Como brasileiro, como pernambucano, eu lamento que o Lula tenha terminado nessa situação. Era melhor para o Brasil se ele pudesse ter se afastado disso tudo e se mantido como um grande estadista. Não foi possível. (Bernardo Miranda) 

O Tempo/Liberdade FM - Foto - Divulgação

17/07/2017/ 09:53:10
Outras Notícias
  • Raquel Dodge toma posse no cargo de procuradora-geral da República
Raquel Dodge toma posse no cargo de procuradora-geral da República
18/09/2017/ 10:25:28

Há mais de três décadas no Ministério Público Federal (MPF), Raquel Dodge tomou posse na manhã desta segunda-feira (18) no cargo de procuradora-geral da República, na cadeira que foi ocupada nos últimos quatro anos por Rodrigo Janot.Em sua fala de oito minutos na cerimônia de posse, a nova chefe do Mi...

  • PMs e guarda-civil vão a júri acusados de matar 17 em chacina de 2015 na Grande SP
PMs e guarda-civil vão a júri acusados de matar 17 em chacina de 2015 na Grande SP
18/09/2017/ 10:22:37

Dois policiais militares e um guarda-civil deverão ser julgados a partir da tarde desta segunda-feira (18) sob a acusação de participarem da chacina que há dois anos deixou 17 mortos e sete feridos em Osasco e Barueri, cidades da Grande São Paulo.Segundo a acusação, os réus cometeram os crimes na...

  • Câmara tentará votar reforma política antes de receber denúncia contra Temer
Câmara tentará votar reforma política antes de receber denúncia contra Temer
18/09/2017/ 10:17:13

A Câmara dos Deputados tentará votar nesta semana a reforma política. O objetivo é garantir a aprovação de mudanças no sistema eleitoral antes de o Supremo Tribunal Federal (STF) encaminhar à Casa a nova denúncia contra o presidente Michel Temer.Mesmo assim, líderes partidários ouvidos pelo G1 relatar...

  • Templo chinês de 2 mil toneladas é deslocado em 30 metros
Templo chinês de 2 mil toneladas é deslocado em 30 metros
18/09/2017/ 10:12:34

O edifício principal de um templo budista de 135 anos de Xangai, na China, foi deslocado em 30 metros em uma operação, que terminou no domingo (18), após duas semanas de trabalho. Milhares pessoas visitam o templo do Buda de Jade diariamente.As autoridades desejam evitar o risco de incêndio, relativamente elevado co...

  • Mineiros afetados pela recessão apelam à criatividade para manter padrão de consumo
Mineiros afetados pela recessão apelam à criatividade para manter padrão de consumo
18/09/2017/ 10:09:11

No começo do ano, as dificuldades financeiras apertaram Maria da Conceição de tal forma que a moradora do bairro Santa Lúcia, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, encontrou uma saída inusitada para amenizar o problema. Com o desemprego dela e do marido, a solução foi vender o imóvel em que viviam para quitar dívi...

  • Com prisão dos filhos, fundador da JBS vai assumir presidência do grupo
Com prisão dos filhos, fundador da JBS vai assumir presidência do grupo
18/09/2017/ 10:08:01

Com os filhos Wesley e Joesley Batista presos, o fundador do grupo JBS, José Batista Sobrinho, de 84 anos, vai voltar à presidência da companhia. O nome foi aprovado por unanimidade em reunião do conselho de administração na noite de sábado.O argumento da família para esse movimento é que Batista Sobrinho, conhecido...