Noticias
Juro alto pode ser contestado, mesmo se estiver no contrato
  • Juro alto pode ser contestado, mesmo se estiver no contrato

Aos 86 anos, o aposentado José Claudio Faria só queria viajar. Comprou um pacote para Buenos Aires, mas, devido a um problema de saúde, 12 dias antes do embarque procurou a agência com um atestado médico, explicando que teria que adiar o passeio. A resposta: dos R$ 3.325 pagos à vista, eles devolveriam R$ 1.600. “Achei um absurdo, mas me disseram que a multa, em caso de cancelamento, estava prevista no contrato. Eu não queria cancelar, só adiar. Não é certo cobrarem uma multa de praticamente 50%”, explica Faria, que procurou o Procon para registrar a reclamação.

O advogado Marcos Paulo Amorim, especialista em direito do consumidor, esclarece que, se o consumidor cancela um pacote, certamente vai gerar um ônus à agência, com remarcações e taxas já pagas. Mesmo assim, 50% é um percentual muito alto. “Mesmo que tenha sido previsto no contrato, entendo que cabe discussão sobre a abusividade da cobrança”, explica o advogado, com base no que prevê o artigo 51 do Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Amorim destaca que, nesses casos, as decisões judiciais em geral têm dado ganho de causa ao consumidor, ajustando as multas cobradas a parâmetros mais equitativos. “No entanto, nem a lei, nem a jurisprudência definiram um percentual justo. E nem poderiam fazê-lo, pois cada situação deve ser analisada levando em conta circunstâncias peculiares, tais como motivo da desistência e prazo para a viagem”, ressalta.

No contrato de Faria, a agência previa multa de 35%. “Eles alegaram que só podiam reembolsar a hospedagem, mas a companhia aérea não tinha como remarcar. Só que eu não negociei com uma empresa aérea, eu fui direto na agência, onde a vendedora me tratou super bem, me fez assinar um contrato, mas ninguém da agência assinou. Eu não li o contrato, pois sou de um tempo que a palavra tinha valor. Agora eu aprendi a lição, mas vou brigar pelos meus direitos”, afirma Faria.

Aos 73 anos, Otávio Cachapuz da Cruz Machado também acreditou na boa fé dos vendedores e não leu o que estava escrito nos contratos de financiamento de eletrodomésticos. Junto com juros altíssimos, as duas lojas onde ele comprou ventilador, notebook, TV e celular embutiram um seguro de vida. O celular, por exemplo, custava R$ 1.500. Foi parcelado em 14 vezes de R$ 242,01, somando R$ 3.388,14 ao final.

Amorim afirma que os riscos de não ler o contrato são enormes. “O contrato é considerado lei entre as partes. É o instrumento apto a disciplinar a relação de consumo que está sendo formada. Descuidar-se da leitura e análise do contrato é um grave erro”, alerta o especialista.

 

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

Art. 51. São nulas de pleno direito, entre outras, as cláusulas contratuais relativas ao fornecimento de produtos e serviços que:
IV - estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor em desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou a equidade

Art. 39. É vedado ao fornecedor de produtos ou serviços, dentre outras práticas abusivas: 
I - condicionar o fornecimento de produto ou de serviço ao fornecimento de outro produto ou serviço, bem como, sem justa causa, a limites quantitativos

Art. 47 As cláusulas contratuais serão interpretadas de maneira mais favorável ao consumidor

 

“SE FOSSE COM JOVEM, ELES NÃO FARIAM ISSO”

Na nota fiscal, o preço do notebook é R$ 1.199. Mas, ao fim das 18 parcelas de R$ 166,28, o equipamento sairá por R$ 2.993,04. Otávio Cachapuz da Cruz Machado não percebeu o quanto estava pagando a mais. “Foi minha filha que viu e disse: ‘Pai, o senhor foi roubado. Tem um seguro de vida aqui’. Tenho certeza que, se fosse com alguém jovem, os vendedores não fariam isso”, lamenta.
O especialista em direito do consumidor Marcos Paulo Amorim explica que, além dos juros abusivos, esse é um clássico caso de venda casada. “Infelizmente, grandes varejistas têm acrescentado ao valor da compra, sem o conhecimento do consumidor, diversos serviços como garantia estendida, seguro de vida etc., o que caracteriza caso flagrante de venda casada, prática abusiva condenada pelo artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor”, afirma.

Machado entrou na Justiça contra as lojas. As decisões em primeira instância mandaram as redes devolverem em dobro tudo que ele já pagou. Ele aguarda agora a decisão sobre a venda casada. 


O Tempo/Liberdade FM - Foto - Divulgação

17/07/2017/ 09:57:12
Outras Notícias
  • Indígenas são os que têm menos apoio público para pagar faculdade
Indígenas são os que têm menos apoio público para pagar faculdade
19/04/2018/ 10:14:53

Os estudantes indígenas formam o grupo com menor percentual de atendimento nas três principais políticas públicas de acesso ao ensino superior. Segundo os dados mais recentes do Censo da Educação Superior, 63% dos indígenas que estavam matriculados em 2016 não conseguiram vaga na rede pública, não foram selecionados...

  • TRF-4 julga recurso de José Dirceu contra pena de mais de 30 anos na Lava Jato
TRF-4 julga recurso de José Dirceu contra pena de mais de 30 anos na Lava Jato
19/04/2018/ 10:12:06

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) julga a partir das 13h30 desta quinta-feira (19) o recurso de José Dirceu contra pena de 30 anos e 9 meses de prisão. O ex-ministro foi condenado por corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro no processo que investigou as irregularidades...

  • Trump diz que pode desistir de reunião com Coreia do Norte
Trump diz que pode desistir de reunião com Coreia do Norte
19/04/2018/ 10:07:49

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse na quarta-feira (19) esperar que uma cúpula sem precedentes com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, será bem-sucedida, mas advertiu que irá cancelar a reunião se achar que não produzirá resultados, segundo a Reuters.Trump disse em coletiva de imprensa conjunta com...

  • MPF solicita que juiz de Montes Claros condenado cumpra pena
MPF solicita que juiz de Montes Claros condenado cumpra pena
19/04/2018/ 10:01:26

O Ministério Público Federal (MPF) solicitou o cumprimento imediato da pena a que o juiz Danilo Campos, da 5ª Vara Cível de Montes Claros, foi condenado. O magistrado é acusado pelo crime de calúnia e difamação contra funcionários públicos, o que acarretou na condenação a um ano, cinco meses e 23 dias de detenção em...

  • PSB nega interesse em Marina Silva
PSB nega interesse em Marina Silva
19/04/2018/ 09:59:14

BRASÍLIA. O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, indicou nessa quinta-feira (18) que o partido não tem interesse em uma aliança eleitoral com a ex-senadora Marina Silva, pré-candidata à Presidência da República pela Rede. O dirigente afirmou que é preciso respeitar a pré-candidatura de Marina da mesma forma ...

  • Eduardo Azeredo insiste em compensação
Eduardo Azeredo insiste em compensação
19/04/2018/ 09:30:01

O ex-governador de Minas e ex-presidente nacional do PSDB Eduardo Azeredo poderá ser preso na próxima semana, após finalizados os recursos à condenação em segunda instância no chamado mensalão mineiro. Os embargos infringentes, última apelação antes da execução penal após a sentença da 9ª Câmara Criminal de Belo Hor...