Noticias
Presidenciáveis mudam discurso e defendem posições que antes criticavam
  • Presidenciáveis mudam discurso e defendem posições que antes criticavam

Rosto velho, roupa nova. A expressão "se não me falha a memória..." deverá ser muito usada neste ano eleitoral. Afinal, "se não me falha a memória", o candidato que hoje prega contra a reforma da Previdência já foi mais simpático às mudanças no setor. "Se não me falha a memória", outro presidenciável que hoje garante que vai privatizar diversas estatais já jurou que jamais tocaria em nenhuma delas. Políticos realmente mudam de opinião ou apenas adaptam seus discursos de acordo com a plateia ou conveniência eleitoral?


Quando a memória falha ainda é possível ir ao Google ou às redes sociais para se certificar daquilo que foi dito em outro "momento". Veja o caso do deputado e presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que acaba de se acertar com o PSL e reforça a ideia de ser um defensor da economia de mercado. Recentemente, Bolsonaro escreveu que "o Brasil precisa de um Banco Central independente!". Para ele, com a independência do BC, "profissionais terão autonomia para garantir à sociedade que nunca mais presidentes populistas colocarão a estabilidade do País em risco". 

Em 2016, porém, questionado sobre o tema, proferiu: "Daí eles decidem a taxa de juros de acordo com os interesses dos colegas do mercado financeiro? Então é melhor o pessoal do BC governar o País como se uma junta fosse". Procurada, a assessoria do deputado informou que ele não se manifestaria.

Além de Bolsonaro, outros presidenciáveis também mudaram ou adaptaram seus discursos. Se hoje o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chama a reforma da Previdência de "crime contra o povo mais pobre", em 2015 ele pensava um pouco diferente. Em entrevista, Lula falou: "A gente morria com 60 anos de idade, com 50 anos de idade, agora a gente tá morrendo com 75 (...). Você não pode ficar com a mesma lei que você tinha feito há 50 anos".

Questionada, a assessoria do petista afirmou que não há contradição e que Lula é contra "essa reforma da Previdência, proposta por Michel Temer".

Já o governador Geraldo Alckmin (PSDB), que, em novembro passado, declarou que "um terço das estatais federais foi criada pelo PT e que a maioria delas deve ser privatizada", já teve opinião diferente. Na eleição de 2006, quando disputou o segundo turno com Lula, ele dizia não existir nenhum projeto de privatização. "Vamos investir em empresas públicas, como Banco do Brasil, Correios, Caixa e Petrobrás." Na mesma eleição, Alckmin chegou a vestir jaqueta com o logotipo de estatais para indicar que não iria privatizá-las.

Questionado agora, o tucano disse que em 2006 procurou "contestar Lula". "Ele dizia que eu ia privatizar Banco do Brasil e Petrobras. Eram mentiras. Mas eu sempre fui favorável à redução do tamanho do Estado", afirmou.

Discursos

Para o cientista político Claudio Couto, da Fundação Getulio Vargas (FGV-SP), essas "reorientações de discursos" têm ocorrido em um grau cada vez mais forte. "Isso acontece porque o discurso que se faz dentro dos partidos para animar as militâncias costuma ser muito diferente do discurso que é produzido para conquistar o eleitor comum." 


Hoje em Dia/Liberdade FM - Foto - Divulgação

08/01/2018/ 10:11:20
Outras Notícias
  • Coutinho assina até 2023 com o Barcelona
Coutinho assina até 2023 com o Barcelona
08/01/2018/ 10:34:40

O jogador mais caro da história do Barcelona. Assim chega Philippe Coutinho, que assinou contrato de cinco anos com o clube – até o fim de 2023 –, na manhã desta segunda-feira, após passar por exames médicos na equipe. Logo após posar para as primeiras fotos, o jogador concedeu uma entrevista coletiva ao lado do pre...

  • Saints batem Panthers e avançam nos playoffs da NFL
Saints batem Panthers e avançam nos playoffs da NFL
08/01/2018/ 10:24:59

Em um jogo emocionante, digno de playoffs da NFL e decidido literalmente na última jogada, o New Orleans Saints venceu o Carolina Panthers por 31 a 26 na batalha da Divisão Sul da NFC. Superada a batalha do Wild Card, Sean Payton e seus comandados seguem para o Meio-Oeste, enfrentando no próximo domingo (14), a part...

  • Seleção de Tite é a mais cara da Copa da Rússia
Seleção de Tite é a mais cara da Copa da Rússia
08/01/2018/ 10:12:56

A seleção brasileira ganhou no último final de semana mais um componente para aumentar o favoritismo para brigar pelo hexacampeonato na Copa do Mundo da Rússia. A transferência de Philippe Coutinho para o Barcelona, no último sábado, faz a equipe do técnico Tite ter o time titular mais valioso entre os 32 participan...

  • EUA condiciona negociação a fim de testes nucleares na Coreia do Norte
EUA condiciona negociação a fim de testes nucleares na Coreia do Norte
08/01/2018/ 10:09:32

O fim dos testes nucleares norte-coreanos é a principal condição de Washington para negociar com o regime de Pyongyang, afirmou neste domingo (7) a embaixadora americana na ONU, Nikki Haley.Os norte-coreanos "devem interromper seus testes nucleares e concordar em discutir a proibição de suas armas nucleares antes de...

  • Mercado financeiro espera que inflação encerre 2018 em 3,95%
Mercado financeiro espera que inflação encerre 2018 em 3,95%
08/01/2018/ 10:08:32

O mercado financeiro reduziu levemente a projeção para a inflação em 2018. A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) - a inflação oficial do país - passou de 3,96% na divulgação da semana passada para 3,95% hoje. Há quatro semanas, a expectativa estava em 4,02% para 2018.A projeção con...

  • Depois de Huck, Datena é convidado para ser candidato à presidência
Depois de Huck, Datena é convidado para ser candidato à presidência
08/01/2018/ 10:06:17

O jornalista José Luiz Datena e o Partido Republicano Progressista (PRP) irão se reunir na próxima segunda-feira. O partido irá propor ao apresentador do programa Brasil Urgente (BAND) uma pré-candidatura à Presidência da República.Procurado pelo Estado, Datena, que é filiado ao PRP, se disse surpreso e lisonjeado p...