Noticias
Treze réus foram para a cadeia após 2ª instância na Lava Jato
  • Treze réus foram para a cadeia após 2ª instância na Lava Jato

SÃO PAULO. O Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), que condenou em segundo grau o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no dia 24 de janeiro, determinou desde o início da operação Lava Jato o envio dos processos para Curitiba para execução das penas de 13 réus condenados pelo juiz federal Sergio Moro, que recorreram à Corte. O primeiro político da Lava Jato a ter sua pena executada foi o ex-deputado Luiz Argôlo (ex-PP-BA) – atualmente preso na Bahia.

Dos 13 réus que tiveram suas penas executadas em 2ª instância, quatro estavam soltos no momento em que Moro determinou o cumprimento da sentença do TRF e remeteu o caso para a 12ª Vara Federal, responsável pelos processos de execução da pena. Foram presos o executivo Agenor Medeiros, da OAS, o “laranja” Waldomiro de Oliveira, que trabalhava para o doleiro Alberto Youssef, o empresário Marcio Bonilho e o agente afastado da Polícia Federal Jayme Alves de Oliveira Filho.

A 8ª Turma Penal do TRF-4, de Porto Alegre, julgou desde 2014 – início da Lava Jato – 24 apelações contra sentenças do magistrado da 1ª instância, em Curitiba. Até o momento, 110 réus, alguns alvos de mais de um processo, foram julgados pelo Tribunal. São 14 as apelações pendentes de julgamento de recursos finais – embargos de declaração ou infringentes.

A última apelação analisada pela Corte condenou por unanimidade o ex-presidente Lula no caso triplex do Guarujá (SP). O Tribunal aumentou a pena do petista para 12 anos e 1 mês de prisão em regime fechado. A defesa do ex-presidente poderá entrar com o recurso de embargos de declaração em até 12 dias depois da publicação do acórdão do julgamento – o que ainda não ocorreu. Quando os recursos de Lula se esgotarem perante a Corte, o juiz Moro, responsável por ordenar a execução penal, poderá determinar a prisão do petista.

Desde fevereiro de 2016, o Supremo Tribunal Federal (STF) admite a execução da pena em 2ª instância. Antes desta decisão, os condenados tinham o direito de recorrer em liberdade até o trânsito em julgado da decisão.

O mesmo entendimento está consolidado na Súmula 122, publicada pelo TRF-4 em 2016. Na ocasião, a Corte analisou um processo sobre tráfico internacional de drogas e previu que condenados pelo segundo grau judicial, independentemente de eventuais recursos aos tribunais superiores, poderiam ir para a cadeia.

A Lava Jato teve sua primeira fase deflagrada em 17 de março de 2014. Dois anos e meio depois, em 12 de julho de 2016, Sergio Moro ordenava “a imediata execução provisória” da pena de dois réus, o traficante Renê Luiz Pereira e o operador financeiro Carlos Habib Chater. Na época, ambos já estavam presos cautelarmente.

Moro ainda mandou executar as penas do ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro – que já estava preso –, do ex-executivo da empreiteira José Breghirolli (semiaberto), de Juliana Cordeiro de Moura, Cleverson Coelho de Oliveira, Rinaldo Gonçalves de Carvalho, e do ex-assessor do PP Ivan Vernon (semiaberto).

Um total de 105 decisões de Moro – um condenado por ter mais de uma sentença – foram analisadas pelo TRF-4 nas 24 apelações. Foram absolvidos o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto (duas vezes), os executivos da empreiteira OAS Mateus Coutinho de Sá Oliveira e Fernando Augusto Stremel Andrade, o operador André Catão de Miranda e também Maria Dirce Penasso, mãe da operadora Nelma Kodama.

A pena imposta ao ex-presidente Lula foi uma das 33 aumentadas pelo Tribunal. A Corte manteve 22 penas e diminuiu 18.

O Tempo/Liberdade FM - Foto - Divulgação

05/02/2018/ 09:47:29
Outras Notícias
  • Técnicos devem apresentar hoje a Guedes proposta final da Previdência
Técnicos devem apresentar hoje a Guedes proposta final da Previdência
12/02/2019/ 09:46:20

Os técnicos do Ministério da Economia devem apresentar nesta terça-feira (12) ao ministro Paulo Guedes a proposta final sobre o texto da reforma da Previdência.A equipe do secretário de Previdência, Rogério Marinho, passou o último fim de semana debruçada sobre o texto. Os responsáveis pela base ...

  • Empresa de helicóptero não podia fazer táxi aéreo, aponta Anac
Empresa de helicóptero não podia fazer táxi aéreo, aponta Anac
12/02/2019/ 09:44:19

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) afirmou que o helicóptero que caiu na Rodovia Anhanguera no início da tarde desta segunda-feira (11), em que o jornalista Ricardo Boechat e o piloto Ronaldo Quattrucci morreram, não podia fazer táxi aéreo, mas sim prestar serviços de reportagem aérea. Ainda segundo a A...

  • Congressistas fecham acordo provisório para evitar nova paralisação nos EUA
Congressistas fecham acordo provisório para evitar nova paralisação nos EUA
12/02/2019/ 09:41:24

Parlamentares democratas e republicanos anunciaram ter alcançado na noite de segunda-feira (11) um acordo provisório para evitar uma nova paralisação do governo dos Estados Unidos, que poderia acontecer no fim desta semana."Alcançamos um acordo de princípio sobre segurança interna, entre outros", disse o senado...

  • Vistoria no CT do Flamengo hoje vai apurar supostas irregularidades
Vistoria no CT do Flamengo hoje vai apurar supostas irregularidades
12/02/2019/ 09:39:50

Autoridades devem fazer uma inspeção no centro de treinamento do Flamengo, o Ninho do Urubu, nesta terça-feira (12) para definir se há necessidade de interdição. Corpo de Bombeiros, Prefeitura do Rio e Polícia Civil estarão no local às 10h. O objetivo é apurar possíveis irregularidades no local, onde dez garoto...

  • Era o ateu que mais praticava o amor ao próximo, diz viúva de Boechat
Era o ateu que mais praticava o amor ao próximo, diz viúva de Boechat
12/02/2019/ 09:17:51

A viúva de Ricardo Boechat, Veruska Boechat, afirmou durante o velório do jornalista, que começou na noite de segunda-feira (11) e continuava na manhã desta terça (12), que ele foi o ateu que mais praticava o amor ao próximo.“Meu marido era o ateu que mais praticava o mandamento mais importante de todos, que era o a...

  • CAP anuncia desligamento de Wellington Fajardo do comando técnico
CAP anuncia desligamento de Wellington Fajardo do comando técnico
12/02/2019/ 09:15:14

O Patrocinense anunciou na tarde desta segunda-feira a demissão do técnico Wellington Fajardo. O profissional comandou o time em seis jogos no Campeonato Mineiro, com duas vitórias, dois empates e duas derrotas. A equipe atualmente está em quinto lugar, com oito pontos.Internamente, a saída do profissional foi motiv...