Noticias
Marcelo Odebrecht denuncia o próprio cunhado
  • Marcelo Odebrecht denuncia o próprio cunhado

SÃO PAULO. A batalha de Marcelo Odebrecht contra a família ganhou um novo capítulo e um novo tom. Em depoimento, que ainda continua sob sigilo, prestado à Polícia Federal, ele diz que seu cunhado e vice-presidente jurídico do grupo, Maurício Ferro, ajudou a acabar com o chamado Setor de Operações Estruturadas, mais conhecido como departamento de propinas da empresa. O pedido feito a Ferro era para que ele saneasse e extinguisse o tal departamento.

Ferro não faz parte do grupo de 78 delatores da Odebrecht após o acordo que a empresa fechou com a Procuradoria Geral da República (PGR) em dezembro de 2016. Desde 2013, ele é vice-presidente jurídico do grupo Odebrecht, o mesmo cargo que ocupou antes na Braskem, petroquímica formada pela Odebrecht e Petrobras que também se envolveu em corrupção e fez acordo para se livrar dos processos.

Segundo Marcelo, ele próprio pediu que Ferro desse fim ao departamento, quando ainda presidia o grupo, no começo de 2015. O Setor de Operações Estruturadas era subordinado diretamente a Marcelo. O executivo foi preso em junho de 2015, ficou dois anos e meio detido em Curitiba e foi colocado em prisão domiciliar pouco antes do último Natal por causa do acordo que a empresa assinou.

Marcelo prestou o depoimento em que fala do cunhado em dezembro, pouco antes de deixar a carceragem da Polícia Federal.

O desmantelamento do departamento de propina pode, em tese, ser interpretado como um ato de obstrução de Justiça. Chamado no Código Penal de “crimes contra a administração de Justiça”, ele é punido com pena de prisão de três a oito anos.

Na operação para acabar com o setor, algumas chaves de acesso aos arquivos secretos da Odebrecht foram apagadas, segundo documento do Departamento de Justiça dos EUA, onde a Odebrecht e a Braskem também fizeram acordo para se livrar de processos naquele país.

Segundo o relato que está no documento norte-americano, dois executivos que trabalhavam no departamento de propina viajaram para os EUA com o objetivo de dar cabo do sistema eletrônico que a empresa usava para manter os pagamentos ilícitos em sigilo.

Em janeiro de 2016, ainda segundo o acordo norte-americano, Luiz Eduardo da Rocha Soares e Fernando Migliaccio destruíram as chaves eletrônicas que permitiam o acesso ao sistema MyWebDay. Era por meio desse sistema que a Odebrecht controlava pagamento de propina e de caixa 2.

Essas chaves eletrônicas, que abriam o sistema criptografado, jamais foram recuperadas, segundo investigadores da Lava Jato.

Marcelo está em guerra com a família por considerar que foi o mais prejudicado com o acordo assinado pelo grupo. Enquanto ele ficou preso dois anos e meio e ficará por um período igual a esse em prisão domiciliar, outros executivos que teriam cometido irregularidades e conheciam a política de pagar propina do grupo foram preservados.

Empreiteira nega irregularidade

A Odebrecht disse em nota que não houve destruição de nenhuma prova no acordo de colaboração da empresa. Segundo a empresa, “o princípio da colaboração ampla, detalhada e contínua da Odebrecht com as autoridades é de apresentação de todas as provas disponíveis, não de omissão e muito menos de destruição de qualquer uma delas”.

Para a empresa, o fim das atividades do Setor de Operações Estruturadas “nada tem a ver com destruição de provas, mas com a cessação de suas atividades” e com a preservação de provas. Esse processo, diz a empresa, foi relatado à força-tarefa da operação Lava Jato.

“O robusto, volumoso e detalhado material probatório, consubstanciado em e-mails, documentos, contratos, hard disks e arquivos eletrônicos, entregue às autoridades brasileiras e estrangeiras e já periciado pela Policia Federal comprova a qualidade e eficácia da colaboração da empresa”.

Segundo a Odebrecht, o departamento de operações estruturadas dispunha de dois sistemas digitais (Drousys e MyWebDay) e ambos foram entregues às autoridades. No caso do MyWebDay, a companhia colocou à disposição mais de 30 mil arquivos. Dados de investigações internas, que não faziam parte do acordo, também foram entregues.

As eventuais lacunas, de acordo com a nota, devem-se a fatos que a companhia não tem controle: “A Odebrecht esclareceu ao Juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba que não dispõe de credenciais de acesso a dados cifrados do sistema MyWebDay, que se encontra atualmente apreendido, custodiado e gerenciado pelas autoridades suíças”.

A nota diz ainda que “a empresa está realizando todos os esforços com o objetivo de colaborar e auxiliar as autoridades nas investigações”.


O Tempo/Liberdade FM - Foto - Divulgação

05/02/2018/ 09:48:34
Outras Notícias
  • Ex-CEO e presidente do conselho da Nissan, Carlos Ghosn é preso no Japão
Ex-CEO e presidente do conselho da Nissan, Carlos Ghosn é preso no Japão
19/11/2018/ 10:38:52

Carlos Ghosn, presidente do conselho montadora japonesa Nissan, foi preso no Japão nesta segunda-feira (19), segundo a imprensa local. Ele também é ex-presidente da montadora e atualmente preside a Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi.Em meio a notícias de que o executivo estaria prestes a ser preso, a Nissan divu...

  • Ministros da União Europeia analisam hoje projeto do Brexit
Ministros da União Europeia analisam hoje projeto do Brexit
19/11/2018/ 10:36:04

Firmado na semana passada entre Londres e Bruxelas, o projeto de acordo sobre o Brexit, a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), será submetido à análise dos ministros de Assuntos Europeus do bloco nesta segunda-feira (19), no início de uma semana "dolorosa" que deve terminar com sua adoção...

  • Cenário externo desafia Brasil
Cenário externo desafia Brasil
19/11/2018/ 10:31:21

É comum apontar a dificuldae de articulação política como o maior desafio do governo Jair Bolsonaro. Mas essa, ao menos, é uma questão cuja solução pode estar a seu alcance. Bolsonaro terá de enfrentar outro problema de natureza distinta, sobre o qual não tem nenhuma ingerência: o cenário econômico externo.Forma-se ...

  • Roberto Castello Branco aceita convite para presidir Petrobras
Roberto Castello Branco aceita convite para presidir Petrobras
19/11/2018/ 10:28:25

A assessoria do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou nesta segunda-feira (19) que o economista Roberto Castello Branco aceitou o convite para presidir a Petrobras no governo de Jair Bolsonaro.Castello Branco tem pós-doutorado pela Universidade de Chicago e ocupou cargos de direção no Banco Central e ...

  • Espetáculo dos Saints, chutes decisivos e lesão assustadora marcam a Semana 11 da NFL
Espetáculo dos Saints, chutes decisivos e lesão assustadora marcam a Semana 11 da NFL
19/11/2018/ 10:26:47

A cada semana, o New Orleans Saints vai se consolidando como um dos principais favoritos ao título da temporada da NFL. Neste domingo, Drew Brees & Cia. atropelaram nada menos que os atuais campeões, Philadelphia Eagles. A rodada também teve várias partidas decididas nos segundos finais, com destaque para os chu...

  • Chance de título e eleição: Palmeiras vive semana agitada dentro e fora de campo
Chance de título e eleição: Palmeiras vive semana agitada dentro e fora de campo
19/11/2018/ 10:21:48

O Palmeiras tem pela frente a semana mais decisiva da temporada de 2018. Os assuntos não ficam restritos aos desempenho do time de Felipão no Campeonato Brasileiro e também agitam os bastidores do clube.Na quarta-feira, o Palmeiras depende de uma combinação de resultados para conquistar o título do Ca...