Noticias
GUROVITZ: Guedes preferiu Bolsonaro a Maia ao ajudar na queda de Levy
  • GUROVITZ: Guedes preferiu Bolsonaro a Maia ao ajudar na queda de Levy

Ninguém ficou surpreso com o relatório apresentado pelo deputado Samuel Moreira para a reforma da Previdência. Nem com a reação imediata do ministro da Economia, Paulo Guedes, para quem a proposta ficou aquém do projeto de seus sonhos. O que surpreendeu quem conhece Guedes foi a forma como, dois dias depois, ajudou a derrubar Joaquim Levy, cuja fritura começou com uma declaração do presidente Jair Bolsonaro no sábado.

Os motivos de Guedes e Bolsonaro para querer a demissão de Levy da presidência do BNDES eram distintos. Para o primeiro, o essencial eram divergências na gestão do banco e o embate em torno do relatório da Previdência. Para o segundo, questões ideológicas, misturadas à oportunidade política de desviar o foco do escândalo em torno do ministro da Justiça, Sergio Moro.

Guedes queria de Levy mais destreza na devolução, ainda neste ano, de R$ 126 bilhões dos R$ 487 bilhões que o BNDES tomara emprestados do Tesouro durante os governos petistas (dos quais já devolveu R$ 217 bilhões). Também queria mais agilidade na privatização de ativos do banco e o enxugamento da estrutura.

A reestruturação apresentada por Levy, que entraria em vigor nesta semana, não satisfez à demanda de Guedes e irritou Bolsonaro. “Eu entendo a angústia do presidente. É algo natural ele se sentir agredido quando o presidente do BNDES coloca na diretoria do banco nomes ligados ao PT”, afirmou Guedes ao colunista do G1 Gerson Camarotti.

O tal “nome ligado ao PT” era o economista Marcos Barbosa Pinto, indicado por Levy para a nova diretoria do banco a que o programa de privatizações ficaria subordinado. Pinto fora chefe de gabinete do presidente do BNDES entre 2006 e 2007, no governo Lula, assim como Levy fora ministro da Fazenda no governo Dilma. Ambos nada têm de petista ou esquerdista nas posições econômicas. Estão, ao contrário, tão próximos do liberalismo quanto o próprio Guedes.

O que preocupava Bolsonaro, como Guedes reconheceu, era outra coisa: a resistência de Levy em “abrir a caixa-preta do BNDES”, uma promessa de campanha. A dificuldade se explica: a tal “caixa-preta” foi aberta no governo Temer, durante a gestão do economista Paulo Rabello de Castro. Fora o que já se conhecia dos acertos políticos dos governos petistas para favorecer empresários amigos, nada se encontrou, como revela o Livro Verde publicado em 2017, um balanço das gestões do BNDES entre 2001 e 2016.

Nada disso impede Bolsonaro de tentar manter a fantasia da "caixa-preta" para alimentar a polarização ideológica. Depois da hesitação inicial quando irrompeu o escândalo em torno de Moro há uma semana, não para de tentar criar fatos políticos para desviar a atenção. Passou a defender Moro de modo incondicional, apareceu com ele numa partida de futebol na semana passada e viu no caso – e na defesa intransigente da Operação Lava Jato – uma oportunidade de fazer reviver o clima de campanha para tentar resgatar a popularidade de seu governo.

Fora a queda de Levy, o movimento de Bolsonaro incluiu a demissão da secretaria de comunicação do general Carlos Alberto Santos Cruz, desafeto dos filhos de Bolsonaro e da ala ideológica; as críticas (e repercussão nas redes sociais) ao julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) que equiparou homofobia a racismo e à derrubada do decreto que amplia a posse de armas na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado (e resultou em ameaças virtuais a senadores).

Levy foi o último lance para fazer reviver o clima da campanha. É o mais arriscado, pois o êxito do governo depende dele e da reforma da Previdência, cujo relatório tanto irritou Guedes. Os motivos, compreensíveis, foram dois: a exclusão do regime de capitalização e a alteração na regra de transição na aposentadoria por tempo de serviço dos servidores públicos, estendida aos funcionários da iniciativa privada. O custo da mudança é estimado em US$ 100 bilhões, quase um décimo das economias iniciais previstas para a reforma.

A reação destemperada de Guedes ao relatório provocou uma cisão com seu principal aliado na negociação da reforma, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. “O governo é uma usina de crises”, disse Maia. “Se dependêssemos da articulação do governo, teríamos 50 votos, e não a possibilidade de ter 350.” Depois ele comparou a concessão feita por Moreira ao funcionalismo civil à oferecida pelo próprio Guedes na proposta de reforma para os militares, bem mais generosa.

Como resultado do choque, a reforma da Previdência deixará de estar associada a Guedes, se é que ainda estava. Politicamente, será doravante a reforma de Maia e do Congresso. Não espanta que Guedes tenha, logo em seguida ao dissabor com seu aliado dos últimos meses, buscado refúgio na fidelidade ao chefe e contribuído para fritar Levy. A queda do presidente do BNDES é dano colateral na disputa por poder que, na falta de capacidade de Bolsonaro para construir uma base parlamentar sólida, opõe Legislativo e Executivo – e está longe de ter acabado.


G1/Liberdade FM - Foto - Divulgação

17/06/2019/ 13:32:30
Outras Notícias
  • Bolsonaro diz que filho cotado para embaixada tem 'vivência internacional' e 'frita hambúrguer'
Bolsonaro diz que filho cotado para embaixada tem 'vivência internacional' e 'frita hambúrguer'
16/07/2019/ 09:49:12

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (16) que o filho Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), cotado para assumir a embaixada do Brasil em Washington, tem experiência internacional, fala inglês e espanhol, e ainda sabe fritar hambúrguer.Antes de uma reunião com ministros, no Palácio da Alvorada, Bolsonaro não r...

  • Pistola encontrada na casa da deputada Flordelis foi usada na morte de pastor, confirma perícia
Pistola encontrada na casa da deputada Flordelis foi usada na morte de pastor, confirma perícia
16/07/2019/ 09:47:36

Um exame de confronto balístico confirmou que a arma encontrada na casa da deputada federal Flordelis foi usada na morte do pastor Anderson do Carmo. O crime completa um mês nesta terça-feira (16).O celular da vítima, considerado uma prova importante, ainda não apareceu.O resultado da perícia do Instituto ...

  • Flordelis usa a pulseira do marido que ela havia dito que sumiu
Flordelis usa a pulseira do marido que ela havia dito que sumiu
16/07/2019/ 09:46:01

O crime contra o pastor Anderson do Carmo, marido da deputada federal Flordelis (PSD), completa um mês nesta terça-feira (16). Dois filhos do casal permanecem presos suspeitos do crime ocorrido em Niterói. Trinta dias depois da execução, o celular do pastor permanece desaparecido.Os investigadores aguardam...

  • Estudante brasileiro é achado morto na China, diz Itamaraty
Estudante brasileiro é achado morto na China, diz Itamaraty
16/07/2019/ 09:43:30

O estudante gaúcho Leonardo Cláudio da Rosa foi encontrado morto na China, segundo confirmou nesta segunda-feira (15) a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e o Itamaraty. Ele era acadêmico do curso de Letras desde 2015, iniciou um intercâmbio em Pequim no segundo semestre do ano passado e retornaria no...

  • Terremoto danifica prédios e templos na Indonésia
Terremoto danifica prédios e templos na Indonésia
16/07/2019/ 09:41:42

Um terremoto de magnitude 5,7 atingiu Bali e outras ilhas na região central da Indonésia nesta terça-feira (16). Vários edifícios ficaram danificados e moradores entraram em pânico. Uma pessoa ficou ferida, de acordo com um primeiro balanço divulgado pela Agência Nacional de Gestão de Desastres (BNPB, sigl...

  • Missão espacial tripulada da SpaceX parece 'cada vez mais difícil' em 2019, diz executivo
Missão espacial tripulada da SpaceX parece 'cada vez mais difícil' em 2019, diz executivo
16/07/2019/ 09:40:10

Hans Koenigsmann, executivo da SpaceX, disse nesta segunda-feira (15) que o plano de enviar seres humanos para o espaço em 2019 parece "cada vez mais difícil". A companhia investiga os motivos da explosão de uma das cápsulas Crew Dragon durante um teste na Força Aérea da Flórida. O incidente ocorreu pouco antes...